• Anuncie: 17 9201-0863 claro
  • contato@voceemcasa.com.br
NOTICIAS - Ciência


Unesp desenvolve goma de mascar que inibe a formação de cáries

Unesp desenvolve goma de mascar que inibe a formação de cáries

Ciência

A goma contém probióticos que são liberados com a mastigação
Diante da necessidade de produtos complementares de fácil utilização para prevenção de cáries, pesquisadores desenvolveram uma goma de mascar com microrganismos probióticos microencapsulados que apresentam atividade anticariogênica. O projeto foi objeto da tese de doutoramento da pesquisadora Nadiége Dourado Pauly-Silveira, orientada pelo professor Elizeu Antonio Rossi, pelo programa de pós-graduação em Alimentos e Nutrição da Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) da Unesp em Araraquara.

Atualmente encontram-se disponíveis no mercado chicles e gomas de mascar não cariogênicos, isto é, sem adição de açúcares, mas não anticariogênicos como se apresenta a nova tecnologia. Segundo Rossi "O diferencial é que as gomas que não possuem açúcar simplesmente não contribuem para o desenvolvimento da cárie, uma vez que os carboidratos são substratos para as bactérias causadoras da cárie”. O professor explica: "O nosso produto combate a principal bactéria causadora da cárie: o Streptococcus mutans”. Vale destacar que a goma desenvolvida pelos pesquisadores da FCF também não contém açúcares.

De acordo com Nielsen Brasil o mercado brasileiro de goma de mascar e chicles de bola apresentou crescimento de 7% em 2008, movimentando um valor aproximado de U$ 1,3 bilhão, devendo atingir um valor superior a U$ 1,5 bilhão em 2013. O produto é destinado a crianças que ainda apresentam dentição não permanente e também a pré-adolescentes e adolescentes, os quais representam o principal seguimento consumidor de gomas de mascar, porém existe uma expectativa de aumento de consumidores adultos com o surgimento no mercado de um produto com alegação funcional, ou seja, com capacidade de inibir o desenvolvimento da cárie dental.

Qualquer indústria produtora de goma de mascar poderia fabricar o produto anticariogênico, uma vez que o microrganismo microencapsulado entraria apenas como mais um ingrediente da formulação. Portanto, teoricamente não haveria a necessidade de grande reformulação no processo de produção.

A tecnologia já passou por alguns testes, foi possível constar que a goma ao ser mastigada libera a cepa probiótica na saliva do consumidor. Segundo Rossi: "Verificamos, "in vitro”, que essa cepa probiótica foi capaz de inibir o desenvolvimeto do S. mutans. Foi também verificado que não existe diferença sensorial entre a goma adicionada da cepa probiótica e a convencional”, explica o pesquisador.

O pedido de patente da tecnologia foi depositado pela Agência Unesp de Inovação (Auin). "Nossa expectativa é que essa proposta seja incorporada por alguma empresa da área farmacêutica ou mesmo de alimentos e que possa ser colocada no mercado”, Completa o professor Rossi em relação às expectativas da equipe para o invento. Para mais informações:auin@unesp.br.

Como começou a pesquisa com probióticos

O professor Rossi e outros pesquisadores da FCF iniciaram a linha de pesquisa denominada "probióticos de soja” em 1980, com o desenvolvimento de um produto fermentado a base de soja, similar aos iogurtes convencionais. Tal projeto nasceu da necessidade de um produto de baixo custo, como alternativa aos produtos probióticos que começavam a ser lançados no mercado com preços bastante elevados.

Ao final de 1983 o novo produto foi desenvolvido e despertou o interesse de muitas empresas nacionais e do exterior. Entretanto não foi possível realizar a patente e o produto acabou se tornando de domínio público.

O grupo continuou trabalhando com esse produto por vários anos, principalmente devido aos componentes bioativos presentes naturalmente na soja e que poderiam exercer efeitos benéficos à saúde do consumidor. Entre 1994 e 1996 o grupo pesquisou cepas probióticas com uma característica específica: a capacidade de reduzir o colesterol.

A partir daí, iniciou uma série de estudos, procurando verificar em quais outras doenças crônico-degenerativas o produto poderia apresentar bons resultados, uma vez que ele era capaz de modular o sistema imunológico.

Segundo Rossi: "Realizamos estudos em animais com osteoporose, com câncer de mama e de cólon, com formação de placas de ateroma na aorta, etc. Em todos esses estudos o produto fermentado a base soja respondeu de maneira surpreendente, mostrando ser capaz de reduzir o desenvolvimento dessas doenças”, explica o professor.

O fato de em todos os casos o efeito do microrganismo probiótico ser sistêmico, levou os pesquisadores a se questionar sobre um possível efeito local. Daí nasceu a ideia de desenvolver um produto para verificar se a ação apenas local também poderia trazer algum benefício de saúde, então surgiu a proposta do desenvolvimento da goma de mascar adicionada de probióticos, com efeito anticariogênico.
 


Comentário

VEJA TAMBÉM

Categorias

Em destaque

Delarco Construtora e Negócios Imobiliários Ltda.

São José do Rio Preto-SP.

(17) 3304-1000

Automatize-tech

São José do Rio Preto-SP.

(17) 3021-6890

Super Interior Informática

São José do Rio Preto-SP.

(17) 99201-0863

Cao Panheiro MA

São José do Rio Preto-SP.

(17) 3224-0378

FLOR DA TERRA

São José do Rio Preto-SP.

(17) 3227-5490